top of page
  • lucianasonck

Menos de 2% das meninas consideram a internet um lugar seguro.

Por: Luciana Sonck e Beatriz Amin


Pesquisa realizada com 2.589 meninas de todas as regiões do Brasil revela que apesar das meninas serem as maiores usuárias da rede, apenas 1,8% se sentem seguras

No dia 8 de março, o tema internacionalmente pautado pela ONU para o Dia internacional da Mulher em 2023, em sincronia com a 67ª sessão da Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres (CSW), foi "Por um mundo digital inclusivo: inovação e tecnologia para a igualdade de gênero". Porém, a internet pode ser considerada uma ferramenta em prol da igualdade e inclusão de gênero?


O mundo globalizado permite que meninas e mulheres possam se expressar e buscar locais de reconhecimento de gênero dentro de diferentes redes, mas ainda está longe de ser um ambiente saudável e sem hostilidade. Em 2021, a Pesquisa Por Ser Menina, da Plan International Brasil realizada com o apoio técnico da Tewá 225, ouviu 2.589 meninas de todas as regiões do Brasil e mapeou percepções importantes sobre qual o sentimento que elas têm ao utilizarem a internet.


Foi constatado que as meninas têm domínio e proximidade com o mundo digital, muito mais que os meninos: 76,9% das respondentes afirmaram que navegar na internet é a sua atividade realizada com maior frequência durante o dia (contra 61,3% dos meninos), e que é um ambiente onde sentem sua opinião valorizada, onde podem ser elas mesmas.

Porém, o estudo evidenciou que é consenso geral entre as entrevistadas que, na internet, meninas são mais assediadas que meninos, sendo o ambiente digital muito semelhante a como elas se sentem na rua: vulneráveis ao assédio de diversas ordens.

“A internet tem essa parte de mulheres sendo julgadas e insultadas, mas também somos induzidas a isso, tem muita sexualização, comentário de homens mais velhos, temos que se policiar e medir as palavras” (16 anos, Entrevistada de São Paulo).

Casos como hipersexualização, julgamento, bullying, assédio no ambiente inbox/privado (inclusive por homens adultos e de diferentes países), são alguns dos relatos que a pesquisa apontou. No ambiente de games, as meninas relataram também sofrerem violência de gênero, tendo muitas vezes que se passar por perfis de meninos para poderem jogar: apenas 18,5% das meninas tem como atividades cotidianas jogar jogos eletrônicos, contra 48,5% dos meninos.


De acordo com a ONU Mulheres, “os espaços online proporcionam novos locais para a violência contra as mulheres, oferecendo aos perpetradores um aumento do anonimato e da impunidade”. A questão da impunidade dos agressores é um tema ainda pouco pautado pelas políticas de regulamentação da internet e isso não é um problema exclusivo do Brasil, apesar de que, segundo a Plan International Brasil, 77% das brasileiras já foram assediadas na internet contraponto 58% da média mundial (PIB, 2020).


No entanto, mesmo não estando no foco das políticas públicas de segurança na internet, de acordo com estudo realizado pelo Instituto AVON em parceria com com a empresa digital Decode, a consequência do assédio virtual impacta diretamente a vida das vítimas, onde 35% afirmam que desenvolveram medo de sair de casa, 30% apresentaram medo de contato social e ideação suicida e 21% acabam excluindo suas redes sociais (INSTITUTO AVON. DECODE, 2021).


Neste 8M, fica a questão para a construção de um futuro digitalmente inclusivo para mulheres e meninas: é ético incluir as meninas no mundo digital sem combater a violência de gênero nesses ambientes?


Leia a Pesquisa Por Ser Menina completa em: https://bit.ly/3mvYsBY

SAIBA MAIS:

77% das brasileiras sofrem assédio pela internet, aponta pesquisa: https://bit.ly/3YADhvL


Em foco: Comissão da ONU sobre a Situação da Mulheres (CSW67): https://bit.ly/3ZMRzu4


PESQUISA: Além do Cyberbullying: https://bit.ly/3yHniBL

0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page